Ambev: JPMorgan corta ABEV3 para neutra após balanço e projeção de custos frustrarem

1 month ago 93

O JPMorgan rebaixou a recomendação para ações da Ambev (ABEV3) de overweight (exposição acima da média, equivalente à compra) para neutra, após decepção com resultados do quarto trimestre de 2023 (4T23), que ficaram aquém das expectativas, e a orientação (guidance) de custos pior do que o esperado, o que leva o banco a acreditar que a janela para uma surpresa positiva no crescimento dos lucros em 2024 está agora mais estreita. O preço-alvo de ABEV3 foi cortado de R$ 15,50 para R$ 14, ainda um potencial de valorização de 11% frente o fechamento da véspera.

Segundo relatório, a Ambev tem operado bem no ambiente de cerveja do Brasil, apresentando um crescimento saudável na receita, racionalização de despesas operacionais, preços robustos e inovação. “No entanto, a peça que falta no quebra-cabeça da recuperação da margem, que seria uma forte redução de custos baseada na queda dos preços das commodities, deve ser mais fraca do que o esperado, de acordo com o guidance da empresa, levantando dúvidas sobre a sustentabilidade das margens para as operações futuras”, diz o documento.

Além disso, os analistas têm uma visibilidade limitada sobre melhorias nas operações internacionais (especialmente considerando o desempenho fraco no Canadá e na Argentina), bem como o momento de quaisquer medidas compensatórias dos impactos tributários observados no final de 2023. Nesse sentindo, o JPMorgan reduziu as estimativas consolidadas de Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) das operações internacionais em -3%, para R$ 10,659 bilhões.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

O banco também reduziu sua estimativa de Ebitda consolidado para 2024 em 1,6%, para R$ 26,790 bilhões, agora 5% abaixo do consenso Bloomberg, e diminuiu o lucro por ação (EPS) para 2024E em -4,3%, para R$ 0,79, o que representa -15% abaixo do consenso.

Olhando para 2024, o JPMorgan continua a ver catalisadores positivos para a receita (carnaval, confiança do consumidor, mercado migrando para uma estrutura de duopólio), mas as comparações na receita começam a se tornar mais desafiadoras (estimativa de crescimento de volume de 1,3%, crescimento de ROL/HL, ou receita líquida por hectolitro, de 3,9% para 2024). Com reduções de custos em níveis de um dígito baixo, analistas veem espaço para uma melhoria de margem de 232 pontos-base no ano, levando a Ambev a um nível de margem terminal de 34-35%. Apesar de esperar que a Ambev entregue um bom crescimento de 13% no Ebitda para cerveja no Brasil em 2024, eles acreditam que a janela para surpresas positivas nos lucros está se estreitando.

Por fim, o JPMorgan comenta que as avaliações não são caras, mas uma reclassificação é improvável dada a desaceleração no crescimento dos lucros. A ação da Ambev está sendo negociada a 15,9 vezes Preço (P)/Lucro (L) em 2024. No entanto, a taxa de crescimento anual composta (CAGR) do lucro por ação, que agora o banco calcula em 10% no período de 2024 a 2028, não deve ser suficiente para justificar uma reclassificação da empresa.

Read Entire Article