As mensagens assustadoras que milionário das criptomoedas recebeu antes de ser morto

9 months ago 62

A investigação sobre o brutal assassinato do empresário Fernando Pérez Algaba (41), cujo corpo foi encontrado esquartejado dentro de uma mala em um córrego na cidade de Ingeniero Budge, em Buenos Aires, está revelando detalhes macabros.

Mais de 200 mensagens ameaçadoras, áudios e conversas estão sendo analisados pelos investigadores, fornecendo pistas sobre os motivos por trás do crime.

As mensagens, incluindo áudios e conversas gravadas, mostram que a maior parte do conteúdo está relacionada a dívidas que o milionário das criptomoedas tinha com pessoas próximas.

Mala com restos mortais de Pérez AlgabaMala com restos mortais de Pérez Algaba

Dentre os diálogos mais assustadores, destaca-se uma conversa gravada pelo próprio empresário com um homem chamado Gustavo Iglesias. Na conversa, divulgada pelo portal argentino Télam, Iglesias ameaçava Pérez Algaba de maneira assustadora, exigindo a devolução de uma dívida de aproximadamente 70 mil dólares.

“Eu não vou te matar, vou fazer algo pior com você, vou arrancar seus olhos e cortar suas mãos para que você não tenha mais dinheiro em sua vida, eu Juro pelos meus filhos que não tenho problemas em ir para a cadeia”, foram as ameaças proferidas por Iglesias.

Em outra gravação, Iglesias é ouvido dizendo “em breve vamos nos ver cara a cara”.

Mais ameaças

Após a divulgação das mensagens pela mídia, o promotor encarregado do caso solicitou depoimentos de pai e filho Iglesias, que compareceram voluntariamente acompanhados de advogados.

Também foram identificados outros suspeitos nas gravações, incluindo Nahuel Vargas, que havia denunciado Pérez Algaba por ameaças em fevereiro deste ano.

Em outro áudio, um homem que se identifica como Adrián Tesei é ouvindo dizendo que iria arrancar a cabeça de Algaba.

Você sabe o que está acontecendo? Que o problema: você me disse ‘seu dinheiro está aqui’, eu te ligo no dia seguinte para ir procurar e meu dinheiro não está lá, para ver se você me entenda; Adrián Tesei existe apenas um, mas nele vivem dois deuses: o deus bom e o deus mau…. Não estou te ameaçando, estou te dizendo que vou te arrancar a cabeça, o dinheiro é meu e você não brinca com o meu”.

A investigação está seguindo diversas linhas de apuração, incluindo a análise de depoimentos de amigos e familiares da vítima, além de especialistas da Divisão de Informática e Perícia Eletrônica da Polícia Federal Argentina (PFA) que estão examinando cadernos encontrados na residência de Pérez Algaba.

Até o momento, a motivação do crime ainda não está clara. Pérez Algaba tinha uma trajetória de sucesso envolvendo a compra e venda de criptomoedas, e seus conhecidos afirmam que ele estava enfrentado dívidas significativas, o que poderia ter motivado o assassinato.

Antes de sua morte, Algaba fez uma série de postagens perturbadoras nas redes sociais, uma delas mostrava o empresário em um carro com uma gravação de áudio que dizia: ‘É incrível como existem pessoas tão más no mundo que, enquanto você pensa em ajudá-las, elas pensam em destruí-lo.’

Outra postagem dizia: ‘Olá, mãe, eu precisava clarear minha cabeça como sempre. E a partir daqui, estou percebendo duas coisas: que não podemos fugir dos problemas e que os problemas nos seguirão.’

Enquanto isso, relatos apontam que ele possuía uma empresa no estado da Flórida, nos Estados Unidos, e estava classificado como “irrecuperável” financeiramente.

A descoberta do corpo esquartejado no córrego em Ingeniero Budge levanta várias hipóteses sobre o local do crime.

Algumas suspeitas sugerem que o assassinato pode ter ocorrido em Ituzaingó e que o corpo foi transportado em uma mala até o local onde foi encontrado.

Outra possibilidade é que Pérez Algaba tenha sido visto pela última vez em um bairro privado em Ituzaingó, onde supostamente estava para fechar um negócio imobiliário lucrativo.

Ainda há muitos detalhes a serem esclarecidos sobre o caso, e a polícia disse estar empenhada em buscar justiça para a vítima e seus familiares.

Read Entire Article