Ata do Copom: mercado de trabalho e atividade têm divergido do esperado

2 weeks ago 69

O Comitê de Política Monetária do Banco Central avaliou em sua última reunião que o mercado de trabalho e a atividade econômica domésticos, em particular o consumo das famílias, têm surpreendido e divergido do cenário de desaceleração previsto pelo colegiado, o que exige a manutenção da política em patamar contracionista por tempo suficiente, segundo dados da Ata do Copom divulgada hoje.

Na reunião encerrada no último dia 19 de junho, o Copom manteve a taxa básica de juros (Selic) em 10,50% anuais, interrompendo um ciclo de cortes que começou em agosto de 2023.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

Segundo os diretores do BC, o nível de juros precisa ser mantido em patamar que consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas. “O Comitê se manterá vigilante e relembra, como usual, que eventuais ajustes futuros na taxa de juros serão ditados pelo firme compromisso de convergência da inflação à meta”, diz o texto.

O Copom lembrou que houve nova elevação das projeções de inflação tanto para 2024 quanto para 2025 e que as expectativas de inflação apresentaram desancoragem adicional desde a reunião anterior.

“Além disso, o cenário externo se mantém adverso, relacionado à visão dos agentes de mercado de que as taxas de juros em países desenvolvidos permanecerão elevadas por um período mais longo”, diz a Ata do Comitê.

Continua depois da publicidade

O Copom também informou que debateu na reunião que o atual processo desinflacionário no Brasil deixou de receber contribuição dos preços de bens industriais e da alimentação no domicílio, com a inflação de serviços, que tem maior inércia, assumindo um papel preponderante na atual dinâmica.

Os diretores do BC consideram que o ambiente externo tem se mostrado mais adverso, em função da incerteza elevada e persistente sobre a flexibilização da política monetária nos Estados Unidos e quanto à velocidade com que se observará a queda da inflação de forma sustentada em diversos países.

Enquanto isso, os bancos centrais das principais economias permanecem determinados em promover a convergência das taxas de inflação para suas metas em um ambiente marcado por pressões nos mercados de trabalho. “O Comitê avalia que o cenário segue exigindo cautela por parte de países emergentes”, adverte a Ata.

Continua depois da publicidade

Em relação ao cenário doméstico, o Copom diz que o conjunto dos indicadores de atividade econômica e do mercado de trabalho tem apresentado maior dinamismo do que o esperado.

“A inflação cheia ao consumidor tem apresentado trajetória de desinflação, enquanto medidas de inflação subjacente se situaram acima da meta para a inflação nas divulgações mais recentes. As expectativas de inflação para 2024 e 2025 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 4,0% e 3,8%, respectivamente.”

Fiscal

O Comitê não mudou sua percepção sobre o desenvolvimento da política fiscal, citando que apenas que os fatos recentes impactam a política monetária e os ativos financeiros. O Copom repetiu que uma política fiscal crível e comprometida com a sustentabilidade da dívida contribui para a ancoragem das expectativas de inflação e para a redução dos prêmios de risco dos ativos financeiros, consequentemente impactando a política monetária.

Continua depois da publicidade

“Políticas monetária e fiscal síncronas e contracíclicas contribuem para assegurar a estabilidade de preços e, sem prejuízo de seu objetivo fundamental, suavizar as flutuações do nível de atividade econômica e fomentar o pleno emprego.”

Expectativas desancoradas

O Comitê avaliou na reunião por unanimidade que se deve perseguir a reancoragem das expectativas de inflação independentemente de quais sejam as fontes por trás da desancoragem observada no momento e ressaltou que a reancoragem das expectativas de inflação é vista como elemento essencial para assegurar a convergência da inflação para a meta.

“O Comitê avalia que a redução das expectativas requer uma atuação firme da autoridade monetária, bem como o contínuo fortalecimento da credibilidade e da reputação tanto das instituições como dos arcabouços fiscal e monetário que compõem a política econômica brasileira. O Comitê não se furtará de seu compromisso com o atingimento da meta de inflação e entende o papel fundamental das expectativas na dinâmica da inflação.”

Read Entire Article