Bankman-Fried diz que precisa de dinheiro para pagar advogados e pede para ficar com US$ 450 mi em ações

1 year ago 167

O ex-CEO da falida exchange FTX, Sam Bankman-Fried, argumentou em seu processo que deveria manter o controle de cerca de US$ 450 milhões em ações do aplicativo de negociações de ativos Robinhood, contestando um pedido do espólio da empresa que ele fundou e que já administrou.

Bankman-Fried disse precisa de parte do dinheiro, de acordo com os autos, para pagar advogados.

As 56 milhões de ações do app, em princípio de propriedade de Bankman-Fried e do cofundador Gary Wang por meio de uma holding chamada Emergent Fidelity Technologies, são objeto de uma complexa batalha legal que também inclui a falida credora cripto BlockFi e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Em pedido realizado em 22 de dezembro ao tribunal de falências de Delaware, nos EUA, a FTX – agora sob a gestão do especialista em reestruturação John Ray – disse que as ações eram apenas nominalmente mantidas pela Emergent Fidelity e deveriam ser congeladas até que pudessem ser divididas de forma justa entre os credores da exchange. O pedido foi apoiado pelos responsáveis por liquidar a empresa nas Bahamas.

Bankman-Fried se opôs a essa ideia em um documento apresentado na quinta-feira (5), argumentando que ele e Wang compraram as ações legitimamente usando dinheiro emprestado da empresa-irmã da FTX, a Alameda Research, e que o empréstimo foi documentado.

A BlockFi, uma empresa cripto à qual a FTX tentou dar suporte no ano passado antes de entrar com pedido de falência, também se opôs à tentativa de assumir o controle das ações em um pedido feito na quinta.

“É impróprio para os devedores da FTX pedir ao Tribunal que simplesmente aceite que tudo o que o Sr. Bankman-Fried já tocou é presumivelmente fraudulento”, citou o documento. “Bankman-Fried precisa de alguns desses recursos para pagar sua defesa criminal”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bankman-Fried, que nesta semana se declarou inocente de acusações que incluem lavagem de dinheiro e conspiração para cometer fraude em meio eletrônico, renunciou ao cargo de CEO em 11 de novembro, no mesmo dia em que a empresa entrou em colapso após alegações de mistura de patrimônios entre FTX e a Alameda.

Leia mais:

A FTX argumentou em dezembro que a Emergent Fidelity – que pertence 90% a Bankman-Fried e 10% a Wang – era uma empresa de fachada, cujos interesses eram “suficientemente idênticos” aos do grupo. Ray já havia reclamado dos registros problemáticos da FTX e, em particular, de transferências feitas para funcionários sem a documentação adequada.

De qualquer forma, admitem os autos, o debate pode ser meramente acadêmico, já que um representante do Departamento de Justiça dos EUA já disse ao tribunal, na quarta-feira (4), que estaria confiscando as ações como parte do processo contra Bankman-Fried.

Descubra por que a queda da Bolsa representa uma rara oportunidade e veja 6 ações incrivelmente baratas para comprar hoje

Read Entire Article