Dividendos: HSML11, PVBI11 e mais 24 FIIs depositam primeiros rendimentos de 2023, de até 1,40% no mês

1 year ago 169

A sessão desta sexta-feira (06) começa com a primeira bateria de distribuição de dividendos de 2023. 26 fundos imobiliários depositarão os rendimentos aos cotistas ao longo do dia.

A possibilidade de receber dividendos mensais é um dos grandes atrativos dos FIIs, que já contam atualmente com quase 2 milhões de investidores no País. O recurso é isento de imposto de renda, outra vantagem do produto.

Em 2022, o Riza Akin (RZAK11) foi o maior pagador de dividendos entre os FIIs que fazem parte do Ifix – índice dos fundos imobiliários mais negociados na Bolsa. A carteira apresentou um retorno com dividendos (dividend yield) de quase 19% no período.

Hoje, os dividendos que serão pagos variam de R$ 0,07 por cota a R$ 12 por cota, como é o caso do Brio Crédito Imobiliário (BICE11).

Considerando apenas os FIIs do Ifix, o destaque do dia é o Átrio Reit Recebíveis (ARRI11), que paga aos investidores R$ 0,13 por cota. O montante representa um dividend yield mensal de 1,40%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Confira a lista completa dos fundos que distribuem rendimentos nesta sexta-feira (06):

TickerFundoRendimento
BICE11Brio Crédito Imobiliário R$   12,00
SOLR11Solarium R$     8,75
LFTT11Loft II R$     8,20
IDFI11Unidades Autônomas R$     3,49
HOSI11Housi R$     1,72
HOSI11Housi R$     1,52
NSLU11Hospital Nossa Senhora de Lourdes R$     1,51
HTMX11Hotel Maxinvest R$     1,26
FRHY11Fronteira Multi R$     1,26
PORD11Polo Recebíveis II R$     0,91
RZTR11Riza Terrax R$     0,86
HSAF11HSI Ativos Financeiros R$     0,80
EVBI11VBI Consumo Essencial R$     0,75
LVBI11VBI Logístico R$     0,75
STRX11Starx R$     0,74
LASC11Legatus Shoppings R$     0,71
HSML11HSI MALL R$     0,70
BPFF11Brasil Plural Absoluto R$     0,62
PVBI11VBI Prime Properties R$     0,57
PLRI11Polo Recebíveis I R$     0,45
SPTW11SP Downtown R$     0,42
IDFI11Unidades Autônomas R$     0,29
VPSI11Polo Shopping Indaiatuba R$     0,21
PLRI11Polo Recebíveis I R$     0,19
LIFE11Life Capital R$     0,13
ARRI11Átrio Reit Recebíveis R$     0,13
VGHF11Valora Hedge Fund R$     0,09
GALG11Guardian Logística R$     0,08
DAMT11BDiamante R$     0,07

Fonte: StatusInvest

Leia também:

Ifix hoje

Na sessão desta sexta-feira (6), o Ifix – índice dos fundos imobiliários mais negociados na Bolsa – opera no campo positivo. Às 10h53, o indicador registrava elevação de 0,14%, aos 2.859 pontos. Confira os demais destaques do dia.

Maiores altas desta sexta-feira (6):

TickerNomeSetorVariação (%)
KFOF11Kinea FoFFoF2,67
VINO11Vinci OfficesLajes Corporativas2,09
RBRL11RBR LogLogística2,01
TGAR11TG Ativo RealDesenvolvimento1,16
RCRB11Rio Bravo Renda CorporativaLajes Corporativas1,32

Maiores baixas desta sexta-feira (6):

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

TickerNomeSetorVariação (%)
XPPR11XP PropertiesLajes Corporativas-3,62
RZAK11Riza AkinTítulos e Val. Mob.-1,92
BTAL11BTG Pactual AgroAgro-1,23
VISC11Vinci Shopping CentersShoppings-1,08
XPCI11XP Crédito ImobiliárioTítulos e Val. Mob.-1,04

Fonte: B3

Nova oferta do RZAK11 quer captar até R$ 300 milhões; Imóveis do TEPP11 têm preço justo elevado em 5,81%

Confira as últimas informações divulgadas por fundos imobiliários em fatos relevantes:

RZAK11 quer captar até R$ 300 milhões em nova oferta

O FII Riza Akin aprovou a realização da quarta emissão de cotas do fundo, que pretende captar inicialmente R$ 300 milhões, conforme sinaliza fato relevante divulgado pela carteira.

Segundo o comunicado, o valor unitário dos novos papéis foi fixado em R$ 92,64 e a taxa de distribuição será de R$ 3,25, totalizando um preço de subscrição de R$ 95,89.

Na sessão desta sexta-feira (6), as cotas do RZAK11 estavam sendo negociadas por R$ 101,49. O valor patrimonial do fundo – espécie de valor justo – está em R$ 92,64.

Ainda de acordo com o fato relevante, os cotistas do fundo terão direito de preferência na oferta, na proporção de 68%.

Com patrimônio de R$ 360 milhões, o fundo investe predominantemente em certificados de recebíveis imobiliários (CRI), que respondem atualmente por 85,60% da carteira. Os demais recursos estão alocados em cotas de outros FIIs.

Atualmente, 60,5% dos títulos estão indexados à taxa do CDI e 39,8% ao IPCA, conforme aponta o último relatório gerencial divulgado pelo fundo.

No documento, a equipe de gestão do Riza Akin manifesta visão positiva para uma maior alocação em títulos indexados à taxa do CDI, que acompanha a taxa básica de juros da economia, a Selic, mantida em 13,75% ao ano na reunião de dezembro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central.

Imóveis do TEPP11 têm preço justo elevado em 5,81%

A Cushman & Wakefield, empresa de consultoria imobiliária, finalizou a reavaliação dos imóveis do FII Tellus Properties e apontou aumento de 5,81% no preço justo dos espaços.

Recém incluído na carteira teórica do Ifix, o fundo tem participação em cinco imóveis localizados em São Paulo (SP). A área bruta locável (ABL) da carteira é de 37 mil metros quadrados e a vacância do portfólio está em 14,64%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com comunicado do fundo ao mercado, a reavaliação do portfólio representa um aumento de 6,23% no valor patrimonial da cota do fundo, com base no fechamento do dia 30 de dezembro de 2022.

Focado no segmento de lajes corporativas, o TEPP11 deposita na próxima semana R$ 0,51 por cota, montante que representa um dividend yield mensal de 0,76%. Em 12 meses, o percentual está em 8%.

Leia também:

Giro Imobiliário: quatro razões para investir nos FIIs em 2023, mesmo com o retorno da renda fixa em 13,75% ao ano

Vale a pena investir em fundos imobiliários quando as aplicações de renda fixa estão pagando 13,75% ao ano? A pergunta se tornou recorrente entre os investidores nos últimos meses de 2022 e se repete no ano novo. Afinal de contas, por que investir em FIIs se há opções rentáveis e com menos risco no mercado?

Para Marcos Baroni, head em pesquisas de fundos imobiliários da Suno e um dos maiores especialistas no produto, a resposta para o dilema acima passa pelo entendimento dos objetivos de uma carteira de FIIs.

“Fundo imobiliário não foi feito para ter uma explosão de rendimento”, esclarece o Professor Baroni, como é conhecido. “Os FIIs têm como objetivo oferecer ao investidor proteção de patrimônio, geração de renda mensal e um portfólio resiliente”.

Na avaliação do especialista, o produto tem entregado o que suas características prometem e, portanto, seguem como uma boa alternativa de investimento para 2023 – mesmo diante da concorrência cada vez mais forte da renda fixa.

Para reforçar a tese, ele detalha quatro fatores que estimulam o investimento em fundos imobiliários, especialmente em um ano que promete ser bastante desafiador para os investidores.

Leia também:

Read Entire Article