Gafisa (GFSA3): o que explica uma alta de mais de 200% em cinco dias?

1 year ago 102

A Gafisa (GFSA3) vem protagonizando um dos maiores ralis da Bolsa dos últimos tempos, sob um contexto de disputa entre acionistas e venda da participação da construtora no Hotel Fasano, em São Paulo (SP), por R$ 330 milhões. Entre 27 de dezembro e 12h50 desta terça-feira (3) o papel acumula alta de mais de 230%, de R$ 6,44 para R$ 21,33 (alta de 50,6% apenas no pregão desta terça).

Analistas de mercados ouvidos pelo InfoMoney traçaram um cenário de “tempestade perfeita”, em que junta uma boa notícia com a briga entre acionistas para justificar uma disparada de cerca de 200% nos últimos cinco dias. Em um momento em que o mercado não está nada eufórico diante dos primeiros sinais do novo governo, a forte alta encontra mais apoio em movimentos técnicos.

O principal deles é conhecido como short squeeze, em que traders que estavam operando vendidos no papel tiveram que comprar as ações a preço de mercado para devolvê-las aos acionistas titulares. Com o desmonte em massa dessas posições, o papel encontra espaço para valorizar.

Um analista de mercado com grande conhecimento no papel destaca que o setor de construção é um dos mais “shorteados” da Bolsa em função do aperto monetário que ocorre no país, o que acaba desestimulando a compra de casas e apartamentos.

“A Gafisa é um papel que, embora seja controverso, tem uma das maiores liquidez entre as construtoras. Essa liquidez acaba atraindo traders para realizar operações com ela”, lembra o profissional.

Assembleia de acionistas no radar

A justificativa para um short squeeze massivo vem da disputa entre a Esh Capital com o acionista de referência da Gafisa, Nelson Tanure. Em uma briga que envolveu a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e a Justiça de São Paulo, a Gafisa conseguiu manter sua data proposta para a AGE no dia 9 de janeiro.

Com vistas a este encontro, muitos titulares das ações começaram a parar de alugar o papel para que possam votar na assembleia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No entanto, a leitura dos analistas é de que os movimentos técnicos estão pulverizados, sendo difícil saber se eles partem de institucionais ou de pessoas físicas – embora esses investidores não tenham o hábito de participar de AGEs.

O que motiva a AGE, na avaliação dos agentes de mercado, é que Tanure, que assumiu posição relevante na companhia em 2019, tem deixado de lado os minoritários das discussões que envolvem emissão de dívidas e aumento de capital da companhia – o que acaba diluindo a participação de todos os investidores na empresa.

Prova deste descontentamento surgiu no último dia 25 novembro, quando o conselho de administração da Gafisa aprovou um aumento de capital de R$ 150 milhões, o que poderia diluir a participação da Esh, atualmente em 15%.

No dia 30 do mesmo mês, a gestora pediu a convocação de uma AGE para questionar os rumos da empresa e cancelar o aumento de capital.

Além disso, há pedidos também para responsabilização judicial contra os administradores e membros do conselho fiscal da companhia pelos prejuízos causados à Gafisa entre 2019 e 2022. Também solicita a destituição dos membros dos conselhos de administração e fiscal, além da eleição de novos administradores.

Embora a AGE ocorra no dia 9, ainda há a previsão de que a confirmação do aumento de capital ocorra antes disso, no próximo dia 5 – a decisão sobre este ato ocorrerá ainda nesta terça-feira, em reunião do conselho de administração da Gafisa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outro analista que cobre Gafisa reforçou que a empresa vem passando por uma grande reestruturação desde a venda da participação da GWI Asset Management, do polêmico sul-coreano Mu Hak You, em 2019.

A fonte lembrou que, desde então, o novo bloco de controle realizou operações que tem forçado a diluição da base acionária – o que poderia ter provocado a reação da Esh. “Não sei se o fundo realmente tem apenas um interesse no setor ou se quer ‘passar um recado’ ao acionista de referência”, apontou.

Venda de hotel

Tirando apenas os movimentos técnicos, a venda da participação da Gafisa em 80% do empreendimento Fasano Itaim, em São Paulo, por R$ 330 milhões, sendo R$ 246,6 milhões em assunção de dívidas, também traz um viés positivo ao papel.

A participação, comprada em 2020 por R$ 310 milhões, traz um pequeno lucro e um potencial grande de desalavancar a dívida líquida da Gafisa, estimada em R$ 1,4 bilhão no terceiro trimestre de 2022.

“Visualizamos esse movimento como positivo pelo fato de que demonstra a capacidade de execução da companhia na restruturação de ativos”, avaliou o analista Lucas Lima, da VG Research.

No entanto, o possível comprador da fatia no hotel causou estranheza entre alguns analistas. Segundo apuração do colunista Lauro Jardim, de O Globo, quem comprou o negócio foi o Banco Master, que seria muito ligado a Nelson Tanure.

Descubra por que a queda da Bolsa representa uma rara oportunidade e veja 6 ações incrivelmente baratas para comprar hoje

Read Entire Article