Hypera (HYPE3) prevê ganhos nos resultados com queda do dólar; ação fecha com leve queda após balanço

10 months ago 95

A queda do dólar frente ao real, caso se mantenha, poderá contribuir positivamente para os resultados da Hypera (HYPE3). Segundo Adalmario Couto, CFO da companhia, com o câmbio a R$ 4,80, a companhia pode ter um impacto positivo de cerca de 1 ponto porcentual na margem bruta.

“Mas isso deve ser capturado somente no início do ano que vem”, afirmou ele, a analistas, durante teleconferência de resultados do segundo trimestre. Couto disse que a política de hedge (proteção contra oscilações bruscas do dólar) está em andamento, sendo que a companhia está “hedgeada” até final de outubro com cotação do dólar a R$ 5.

“As novas compras a gente deve conseguir trabalhar com esse câmbio menor, mas deve demorar para transitar em nossos custos, dado o nível de estoque que temos”, disse o executivo.

Balanço Hypera (HYPE3)

A Hypera (HYPE3) reportou lucro líquido das operações continuadas de R$ 504,4 milhões no segundo trimestre de 2023, montante 10,7% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2022.

Ao final da sessão, as ações da companhia fecharam com leve queda, de 0,18%, cotadas a R$ 44,00. Durante o pregão pós-balanço, os papéis variaram entre R$ 43,40 e R$ 44,46.

Em termos de receita, a desaceleração do crescimento do sell-out (ou seja, a venda direta da empresa ao consumidor) foi apontada por analistas de mercado como o principal fator negativo do balanço do 2º trimestre.

Não por acaso, o CEO da companhia, Breno Oliveira, buscou explicar, a analistas, que a base de comparação com 2022 foi um dos motivos do sell-out ter desacelerado, já que o primeiro semestre do ano passado “foi muito bom, principalmente o segundo trimestre”.

Ebook Gratuito

Análise de Balanços

Cadastre-se e receba um ebook que explica o que todo investidor precisa saber sobre os resultados das empresas

“O sell-out ficou um pouco menor do que se imaginava, por outro lado o crescimento de outros mercados acabou indo acima do que imaginávamos”, disse o executivo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mudanças do mercado

Oliveira destacou ainda que o mercado de medicamentos de uso agudo (como analgésicos, antitérmicos, antipiréticos, entre outros) mudou muito, de 2022 para 2023.

“O mercado desacelerou pelo pico que teve do ano passado. A gente estava muito bem posicionado no mercado ano passado, diferente dos concorrentes, e agora a demanda voltou à normalidade e os concorrentes também”, afirma.

“A gente teve desempenho pior por causa desses fatores, dentro do esperado. A pequena parte que não foi capturada no sell-out do varejo está indo muito bem e compensando esses efeitos”, comentou.

Breno Oliveira afirmou ainda que a companhia está confiante de que irá alcançar seu guidance (projeção de resultado) para 2023.

“Além disso, seguimos com nossas iniciativas para redução gradual dos níveis estoques nos próximos trimestres”, acrescentou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Taxação do JCP e dividendos

Por fim, o CEO da Hypera tratou da possível taxação dos juros sobre capital próprio (JCP) e dos dividendos, com a reforma tributária sobre a renda, ainda a ser apresentada pelo governo ao Congresso.

“Estamos conversando com os tributaristas. É uma reforma geral do imposto de renda, que traria implícita a revisão do JCP, tributação de dividendos e de redução da alíquota do imposto de renda de pessoa jurídica. A gente ouve dos especialistas que é difícil mexer somente no JCP”, disse.

“Se tiver alteração a gente vai se adequar e repensar o melhor uso do nosso capital. Hoje é interessante pagar o JCP”, complementou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Read Entire Article