Máximas de 3 semanas do preço do BTC aguardam a inflação dos EUA – 5 coisas para saber sobre o Bitcoin esta semana

1 year ago 96

O Bitcoin (BTC) começa uma nova semana em uma base promissora, uma vez que a ação de preço do BTC se aproxima das máximas de um mês. No entanto, trata-se de um movimento duradouro?

No impulso de um novo ano para os touros, o par BTC/USD está atualmente surfando em níveis que não eram vistos desde meados de dezembro, com o fechamento semanal oferecendo razões para otimismo entre os traders.

A mudança precede uma semana macroeconômica conspícua para os mercados de criptomoedas, com a divulgação do Índice de Preços ao Consumidor (CPI) de dezembro nos Estados Unidos.

Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, também fará um discurso sobre a economia, tendo a inflação no radar.

Dentro da esfera cripto, o contágio da FTX ainda faz estragos. O Digital Currency Group (DCG) está em desacordo com seus clientes institucionais sobre como lidar com problemas de solvência da Genesis Trading, uma de suas subsidiárias.

Ao mesmo tempo, o Bitcoin ainda mostra sinais de recuperação após a turbulência da FTX, com os mineradores entre os que estão dando um refresco para a maior criptomoeda do mercado.

O Cointelegraph analisa esses fatores e muito mais à medida que a segunda semana de negociação de janeiro tem início.

Preço do Bitcoin passa de US$ 17.000

O Bitcoin conseguiu subir no fechamento semanal de 9 de janeiro, atingindo níveis inalcançados desde 16 de dezembro.

Dados do Cointelegraph Markets Pro e da TradingView mostram as máximas locais chegando a US$ 17.250 na Bitstamp.

Gráfico diário BTC/USD (Bitstamp). Fonte: TradingView

Apesar de adicionar apenas algumas centenas de dólares ao preço do BTC, o movimento não passou despercebido, dada a faixa de negociação extremamente comprimida que esteve em vigor por muitas semanas anteriores.

No entanto, de olho em uma possível continuação do rali, os traders não estavam dispostos a mudar sua perspectiva conservadora de longo prazo.

“Avante e para cima rumo à minha meta de US$ 17.300 a US$ 17.500”, disse Crypto Tony aos seus seguidores do Twitter em uma atualização:

“Tive algum lucro aqui, mas permaneço vendido enquanto estivermos abaixo de 17.500 no fechamento de 4 horas.”

Michaël van de Poppe, fundador e CEO da trading Eight, também deixou a porta aberta para uma modesta continuação positiva, mas alertou que o início da semana apresentaria obstáculos.

“Ainda assistindo a um caso como este no Bitcoin”, ele afirmou ao lado de um gráfico explicativo:

“Acho que continuaremos subindo na próxima semana, mas provavelmente teremos uma queda devido à Gemini ou uma correção na segunda-feira.”
Gráfico anotado BTC/USD. Fonte: Michaël van de Poppe/ Twitter

Enquanto isso, Venturefounder, analista e colaborador da plataforma de análise on-chain CryptoQuant, lembrou os investidores de diminuir o zoom.

“Bitcoin está preso entre US$ 16 mil e US$ 18,5 mil há 2 meses”, reconheceu ele:

“Observe este intervalo com muito cuidado, uma quebra em qualquer direção pode trazer 20% de volatilidade, e pode acontecer em breve. Uma quebra definitiva de US$ 16.000 pode gerar US$ 13.000, com um suporte em US$ 18.5.000, podemos ver US$ 22.5.000.
Gráfico anotado BTC/USD. Fonte: Venturefounder/ Twitter

Contagem regressiva da CPI retorna à medida que os traders de ativos de risco observam a volatilidade

Todos os olhos, incluindo os do Banco Central dos EUA (Fed), estão voltados para os dados de inflação que serão divulgados esta semana, com a impressão de dezembro do Índice de Preços ao Consumidor (CPI).

O CPI, que saudará os mercados em 12 de janeiro, é um componente-chave da política monetária do Fed. Traders e analistas estão cientes de que os sinais que ele fornece podem levar a mudanças na postura do Fed.

Ultimamente, o CPI tem caído, sugerindo que os aumentos das taxas de juros do Fed tiveram um impacto positivo no controle da inflação.

Se a tendência se mantiver ou mesmo se a inflação cair ainda mais do que o esperado, as esperanças de que o Fed reduza os aumentos das taxas de juros mais rapidamente - ou mesmo os cancele completamente - aumentarão.

Isso, por sua vez, fornece uma janela de ganhos para os ativos de risco, incluindo as criptomoedas, já que a flexibilização da política do Fed aumenta o apetite por risco.

“Esperando uma enorme volatilidade. Posição de caixa enorme e tamanho de posição leve para mim”, disse Ted Zhang, trader e analista de pesquisa da Revere Asset Management, aos seus seguidores do Twitter, descrevendo a divulgação do CPI como uma “semana enorme”

Outros observaram o cronograma incomum dos eventos, com o CPI chegando dois dias depois de um discurso sobre o cenário econômico do presidente do Fed, Jerome Powell.

“Infelizmente ou felizmente, o discurso é na terça-feira, enquanto o cpi sai na quinta-feira. Portanto, qualquer restrição será desfeita após os números do cpi na quinta-feira!” dizia um comentário, acrescentando que as reações do mercado ao discurso de Powell podem muito bem equivaler a "ruídos".

De acordo com a FedWatch Tool do CME Group, as chances de um aumento de 25 pontos-base neste mês atualmente são de 75%, contra uma chance de 25% de um aumento de 50 pontos-base.

Gráfico de probabilidades de taxa-alvo do Fed. Fonte: CME Group/ Twitter

A longo prazo, os céticos, incluindo o investidor “Big Short”, Michael Burry, sustentam que a inflação retornará, obrigando o Fed a aumentar as taxas de juros novamente como resultado.

“É improvável que a inflação do caia para 2%, muito menos fique negativa”, escreveu Peter Schiff, defensor do ouro, em resposta a Burry na semana passada:

“Mas concordo com você que o Fed retornará ao QE e a taxa de inflação oficial atingirá um novo recorde. A taxa real não oficial atingirá um novo recorde histórico.”

DCG dança conforme a música

À medida que as consequências do colapso da FTX se desenrolam, é o gigante do investimento institucional Digital Currency Group (DCG) que está com a batata assando este mês.

A exposição do DCG à FTX aumentou a pressão sobre certas subsidiárias do grupo em uma trama cada vez mais complexa. Até mesmo o futuro do maior veículo institucional de investimento em Bitcoin pode estar em jogo.

Atualmente, o Grayscale Bitcoin Trust (GBTC) possui mais de US$ 10 bilhões em ativos sob gestão. O preço de suas ações, de acordo com dados da Coinglass, é negociado com um desconto implícito de 44% em relação ao preço à vista do Bitcoin.

Como informou o Cointelegraph, a exchange Gemini teve alguns de seus ativos congelados na empresa Genesis Trading, uma das subsidiárias do DCG, depois que as retiradas foram interrompidas devido ao colapso da FTX. Seu cofundador, Cameron Winklevoss, apelou publicamente ao CEO da DCG, Barry Silbert, para obter respostas.

Em 8 de janeiro, ele escreveu em carta aberta a Silbert, dando um prazo para a situação ser resolvida. Com o tempo esgotado, o próprio Silbert o contestou.

“O DCG entregou à Genesis e seus consultores uma proposta em 29 de dezembro e não recebeu nenhuma resposta”, afirmou ele em um comentário no Twitter em resposta a Winklevoss em 2 de janeiro.

Se os eventos tomarem um rumo imprevisível, as implicações para o mercado de criptomoedas podem se tornar mais sérios. O tamanho do DCG e o papel que suas subsidiárias desempenham no mercado de criptomoedas tornam um potencial desastre particularmente imprevisível.

Descrevendo os eventos recentes, Checkmate, principal analista on-chain da Glassnode, disse que o DCG continuava “explodindo em câmera lenta”.

“E o preço do Bitcoin transformou-se basicamente uma stablecoin”, acrescentou.

“Tudo em 2023 depende do DCG neste momento”, previu Justin Herberger, autor do boletim Invest and Prosper:

“Se de alguma forma eles entrarem em colapso, vai ficar feio. Essa pode ser nossa última etapa para 85% de redução em relação à máxima histórica do Bitcoin.”
Prêmio GBTC vs. ativos sob gestão vs. gráfico BTC/USD. Fonte: Coinglass

Mineradores quebram forte sequência de vendas

Os mineradores de Bitcoin estiveram no radar durante a maior parte de 2022, mas a queda de preço do BTC que se seguiu à implosão do FTX piorou uma situação já bastante complicada.

Os mineradores começaram a se desfazer de seus Bitcoins armazenados para permanecer financeiramente saudáveis, e as métricas on-chain alertaram rapidamente sobre um evento de “capitulação” dos mineradores.

Como o Cointelegraph relatou, no entanto, nem a extensão da liquidação nem sua duração pareciam críticas e, recentemente, a situação se estabilizou.

“A forte pressão de venda sobre os mineradores de Bitcoin que invadiu o mercado nos últimos 4 meses finalmente diminuiu, ao menos por enquanto”, William Clemente, fundador da empresa de pesquisa de criptografia Reflexivity, resumiu apresentando dados da empresa de análise on-chain Glassnode neste fim de semana.

Esses dados mostraram a mudança de posição líquida de 30 dias para os mineradores de Bitcoin começando a aumentar em relação ao mês anterior.

Gráfico de alteração da posição líquida dos mineradores de Bitcoin. Fonte: William Clemente/ Twitter

Dados adicionais da Glassnode apoiaram a observação, com as reservas de BTC dos mineradores atingindo o nível mais alto em um mês em 8 de janeiro.

Gráfico do saldo dos mineradores de Bitcoin. Fonte: Glassnode/ Twitter

De olho na taxa de hash do Bitcoin - o poder de processamento estimado dedicado à mineração do BTC - Jan Wuestenfeld, analista da empresa de pesquisa e consultoria de criptografia Quantum Economics, foi igualmente otimista sobre a situação atual.

“É uma loucura como a taxa de hash, embora os mineradores estejam sob forte pressão, corrigiu apenas um pouco nos últimos dois meses de 2022 e agora está aumentando sob a perspectiva da média móvel de 30 dias”, observou ele.

Na semana passada, a dificuldade da rede do Bitcoin foi ajustada para baixo em cerca de 3,6%, levando em consideração uma queda na competição entre mineradores ativos. De acordo com a última previsão da BTC.com, no entanto, o próximo ajuste eliminará essas perdas para adicionar 9% ao nível de dificuldade, marcando assim um novo recorde histórico.

Visão geral dos fundamentos da rede do Bitcoin (captura de tela). Fonte: BTC.com

“Medo extremo” encontra mínimas de volume de cripto de 18 meses

O sentimento do mercado cripto está mais incerto do que nunca quando se trata das perspectivas de curto prazo, de acordo com o Índice de Medo e Ganância.

No fim de semana, o índice, que compila o sentimento do mercado a partir de uma cesta de gatilhos ponderados, voltou ao topo de sua faixa mais pessimista, o “medo extremo”.

Uma novidade em 2023, o “medo extremo” é, no entanto, familiar para os participantes de mercado, que vivenciaram esse sentimento pelo período mais longo da história no ano passado.

Índice de Medo e Ganância (captura de tela). Fonte: Alternative.me

Ao mesmo tempo, a interação com as criptomoedas parece visivelmente ausente nos níveis de preços atuais.

Recentemente, os dados da empresa de pesquisa Santiment capturaram o menor volume de transações de criptomoedas desde meados de 2020.

“O volume de negociação de altcoins é particularmente baixo”, afirmou uma nota com um gráfico anexo.

Gráfico anotado de bandas de valor de gastos em saídas do Bitcoin. Fonte: CryptoBitcoinChris/ Twitter

Números do CryptoQuant sinalizados pelo popular comentarista de mídia social CryptoBitcoinChris, no entanto, observaram que as vendas das baleias também vêm diminuindo desde dezembro, o que pode definir uma tendência e ter um "efeito positivo no sentimento do mercado."

As visões, pensamentos e opiniões expressas aqui são exclusivas dos autores e não necessariamente refletem ou representam as visões e opiniões do Cointelegraph.

LEIA MAIS

Read Entire Article