Mudança de rota: 99Food pisa no freio e com serviço de delivery com entregadores

1 year ago 2233

A 99Food, divisão de delivery do app de mobilidade, afirmou que vai encerrar a parceria com entregadores a partir de 28 de fevereiro. Com isso, fica mantido o serviço de pedidos pela plataforma, mas a entrega passa a ser responsabilidade dos próprios restaurantes.

“Em breve, a 99Food irá encerrar a operação de intermediação de entregas com entregadores (as) parceiros (as)”, dizia uma mensagem enviada aos parceiros à qual o Valor Económico teve acesso. Ao InfoMoney, a empresa confirmou a decisão e disse que ela é consequência de readequação na estratégia de negócio.

“Em busca de um modelo que entregue mais valor para seus parceiros e a própria companhia, a 99 iniciou, em janeiro de 2022, transição da 99Food para uma operação focada em marketplace, sem oferecer o serviço de entrega”, disse em nota.

Depois de dois anos de pandemia, quando os apps de entrega apresentaram amplo crescimento, as empresas tiveram que reajustar suas rotas com a normalização dos serviços. Neste cenário, a 99Food é só mais uma das plataformas que revisaram seus modelos em 2022.

O primeiro a olhar o caixa foi o Uber Eats, que decidiu encerrar as operações no Brasil, ainda no primeiro trimestre do ano passado. Na época, o app norte-americano culpou o concorrente iFood por manter contratos de exclusividade com restaurantes.

Mesmo o iFood não passou ileso e resolveu finalizar a divisão colombiana, em novembro passado, ativa desde 2015. A empresa creditou a decisão ao cenário do mercado de capitais no Brasil e no país andino.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A crise não é só nacional: nos Estados Unidos, a DoorDash, empresa de delivery com capital aberto desde dezembro de 2020, viu suas ações caírem 73% desde o começo de 2021. A Instacart, uma startup americana de entrega de supermercado que ainda não abriu capital, passou por uma redução de 20% no seu valuation. Com um modelo de negócio que queima caixa e de frente para uma delicada situação macroeconômica, muitas dessas empresas parecem buscar rotas mais seguras. 

Read Entire Article