Por que a economia foi tão decisiva para o desempenho do Bitcoin em 2022

1 year ago 66

As preocupações inflacionárias e a recuperação do cenário econômico estão agora colocando cada vez mais pressão sobre reguladores e afetando criptomoedas.

Por que a economia foi tão decisiva para o desempenho do Bitcoin em 2022

A economia real teve uma influência direta sobre o desempenho do Bitcoin (BTC) em 2022 e os últimos 18 meses são um excelente exemplo dessa dinâmica. Todos sabemos o quão agressivos os formuladores de políticas monetárias e fiscais foram no rescaldo da COVID-19, enquanto tentavam manter a economia global acima da água. Programas de gastos maciços e monetização da dívida em larga escala (ou seja, compras de ativos do banco central) foram o golpe duplo que basicamente disse aos formuladores de políticas de mercado que estavam realmente preparados para fazer "o que for preciso" para conter o pânico; os efeitos dessa gastança e impressão de dinheiro desenfreada está sendo sentida agora, dois anos depois do advento da Pandemia.

Os gigantescos incentivos implementados por tais políticas transformaram os mercados e serviu como catalisador chave para impulsionar os preços dos ativos para novas máximas históricas em 20 e 21. Nesse cenário onde as condições financeiras diminuíram dos países foram colocadas à prova, o apetite por risco retornou e o BTC e os criptoativos foram grandes beneficiários desse ambiente, que viu a liquidez global se expandir a uma das taxas mais rápidas já registradas.

Gráfico, HistogramaDescrição gerada automaticamente

Fonte: Delphi Digital

Essas mesmas condições começaram a mudar nos últimos meses, mas já era sentidas desde o final de 2021; as preocupações inflacionárias e a recuperação do cenário econômico estão agora colocando cada vez mais pressão sobre os formuladores de políticas (principalmente as autoridades do Fed) para acelerar seu cronograma para aumentar as taxas e conter o apoio monetário.

O sell-off do mercado desta semana é o exemplo mais recente dessa dinâmica. A ata do FOMC de dezembro que foi divulgada na quarta-feira acabou sendo mais hawkish do que o mercado previa, o que desencadeou um recuo nos ativos de risco (BTC e cripto incluídos).

GráficoDescrição gerada automaticamente

Fonte: Delphi Digital

A liquidação no mercado de criptomoedas foi muito mais drástica do que as ações, mas isso é de se esperar, dado o quão influente é a negociação alavancada nos movimentos de preços de curto prazo em cripto (que mais uma vez fomos dolorosamente lembrados esta semana). A tese negativa foi apoiada pelos mercados de derivativos em 29 de dezembro, com taxas de financiamento positivas enquanto a ação do preço não conseguiu subir.

Tudo isso é para dizer que o BTC está se comportando como o esperado, lateralizado, dado o ambiente em que nos encontramos agora; se a escala da liquidação desta semana é justificada é outra questão, no entanto.

A grande questão agora é de onde virá a próxima onda de demanda e que nível precisamos atingir para que ela desencadeie tais pressão de compra? O final do jogo não mudou, e o impacto do COVID como um acelerador ainda será sentido nos mercados em 2023.

Do ponto de vista da análise técnica, o indicador estocástico de 30 dias do Bitcoin oscilou totalmente abaixo do limite inferior. Este sinal foi um precursor de mais queda durante este mercado de baixa. Preconiza o analista da Cubic, Caleb Franzen.

Imagem

Fonte: Tradingview

Foi rejeitado nas mínimas anteriores do acumulado do ano (suporte).

  • Foi rejeitado na nuvem de média móvel de 200 semanas.
  • Caiu abaixo de uma linha de tendência de suporte dos novos mínimos acumulados no ano.
  • Indicadores estatísticos de "venda" acionados. Infelizmente, nenhuma dessas dinâmicas é de alta.

As informações contidas neste texto são de responsabilidade do autor e não necessariamente refletem as posições do Cointelegraph Brasil.

LEIA MAIS:

Read Entire Article