Poupança vira refúgio e saques líquidos em 2022 somam R$ 103,237 bi, pior resultado da história

1 year ago 66

A caderneta de poupança teve o pior resultado da história em 2022, em um cenário de endividamento recorde, juros em dois dígitos, inflação alta e renda comprimida. A retirada líquida foi de R$ 103,237 bilhões no ano passado, quase o dobro do saque registrado em todo ano de 2015 (-R$ 53,567 bilhões), que até hoje era o ano mais negativo da série histórica do Banco Central, iniciada em 1995.

Em 2022, foram colocados na poupança R$ 3,632 trilhões, enquanto R$3,735 trilhões foram retirados. Considerando o rendimento de R$ 71,582 bilhões, o saldo total da caderneta somou R$ 998,943 bilhões no fim do ano, contra 1,031 trilhão no ano anterior.

Em 2021, o resultado da caderneta já havia sido negativo, com retiradas líquidas de R$ 35,497 bilhões, agora o quarto pior desempenho da história. Em 2020, por sua vez, houve recorde positivo, em meio ao auxílio emergencial e à maior tendência das famílias de guardarem dinheiro no início da pandemia de covid-19.

Considerando apenas o resultado de dezembro, a poupança registrou depósito líquido de R$ 6,259 bilhões, ficando aquém do saldo positivo no mesmo mês de 2021 (R$ 7,660 bilhões). Em novembro, houve saldo negativo de R$ 7,419 bilhões. Em dezembro, foram colocados na poupança R$ 352,471 bilhões, enquanto R$ 346,212 bilhões foram retirados. O rendimento de R$ 6,225 bilhões.

Leia mais:
Onda de resgates recorde: fundos perdem R$ 162,9 bi com saques em 2022, maior valor em 20 anos

Dezembro e maio (R$ 3,514 bilhões) foram os únicos meses positivos na poupança em 2022. Com o cenário macroeconômico desfavorável, o ano ficou marcado por saques volumosos, incluindo os dois meses mais negativos da história: agosto (-R$ 22,015 bilhões) e janeiro (-R$ 19,665 bilhões).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Atualmente, com a taxa Selic a 13,75% ao ano, a poupança é remunerada pela taxa referencial (TR), atualmente em 0,2362% ao mês (2,87% ao ano), mais uma taxa fixa de 0,5% ao mês (6,17% ao ano). Quando a Selic está abaixo de 8,5%, a atualização é feita com TR mais 70% da taxa básica de juros.

Read Entire Article