SBF se declara inocente; ex-advogado da FTX auxilia o FBI no caso

1 year ago 80

Segundo uma fonte familiarizada com o assunto, Daniel Friedberg, que era o principal advogado da FTX, cooperou com os promotores dos EUA enquanto investigavam o colapso da exchange, colocando ainda mais pressão sobre SBF.

Sam Bankman-Fried se declarou inocente das acusações criminais na terça-feira (3 de janeiro) e deverá enfrentar um julgamento em outubro, o que provavelmente será um dos casos de crime de colarinho branco com maior visibilidade nos últimos anos. Os promotores disseram que têm “centenas de milhares de documentos para analisar, com mais a caminho.”

SBF é acusado de desviar bilhões de dólares em fundos de clientes da FTX para a Alameda para investimentos em empreendimentos bancários, compras de imóveis de luxo e doações políticas. 

Saiba mais: Em entrevista, SBF tenta recuperar sua boa imagem

De acordo com a Reuters, o advogado norte-americano Damian Williams, que está liderando o processo criminal contra a FTX, disse: “se você participou de má conduta na FTX ou na Alameda, agora é a hora de se posicionar.”

O ex-chefe de regulamentação da FTX, que não foi acusado de nenhum crime, teria cooperado com os promotores na investigação da exchange falida. Daniel Friedberg deverá ser chamado como testemunha do governo no julgamento agendado para outubro, informou a Reuters nesta quinta-feira.

Após o desdobramento da FTX, Friedberg expôs seu entendimento sobre o uso dos fundos de clientes por Bankman-Fried. Ele apresentou detalhes sobre como a Alameda Research operava e narrou suas discussões com outros executivos da FTX sobre o assunto.

Ele se reuniu com mais de 20 investigadores, incluindo funcionários do Departamento de Justiça, do FBI e da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), em uma reunião realizada no dia 22 de novembro no escritório do Procurador do Distrito Sul de Nova York. 

FTX não renunciou o privilégio advogado-cliente 

Cerca de três dias após o pedido de falência da FTX, dois agentes do FBI teriam entrado em contato com Friedberg em Nova York. Ele concordou em compartilhar informações com eles depois de pedir à FTX que renunciasse ao privilégio advogado-cliente a fim de cooperar com os promotores.

A FTX, no entanto, não concedeu a renúncia de seu privilégio, mas concordou com certos detalhes que o advogado poderia fornecer, de acordo com o relatório. Friedberg então disse aos agentes que queria “cooperar em todos os aspectos,” e assinou um documento descrevendo seu acordo.

De acordo com a Reuters, Friedberg deixou a FTX em 8 de novembro, quando Bankman-Fried disponibilizou informações sobre a falta liquidez da empresa para funcionários.

Friedberg tem um passado questionável

Friedberg trabalhou na empresa canadense de jogos on-line Excapsa Software, que foi envolvida em um escândalo de fraude de pôquer on-line há quase uma década.

Funcionários que trabalharam lá entre 2005 e 2008 foram acusados de empregar um software chamado “God Mode” para defraudar milhões de dólares de jogadores. Friedberg foi pego supostamente apoiando os perpetradores e discutindo como reduzir o valor das restituições devidas. A empresa não existe mais.

Antes de ingressar na FTX, Friedberg trabalhou no escritório de advocacia Fenwick & West, especializado em direito de pagamentos. Durante seu mandato como diretor de compliance na FTX, em agosto de 2020, Fenwick & West incorporou um varejista de eletrônicos chamado North Dimension. 

A queixa civil da SEC contra Bankman-Fried disse que a North Dimension foi usada por FTX para receber transferências eletrônicas de clientes da FTX, fundos que, em vez disso, foram canalizados para a Alameda Research. Ainda não está claro qual o papel, se ele existe, desempenhado por Friedberg na formação da North Dimension ou em seu uso por entidades afiliadas à FTX.

Leia também:

Read Entire Article