Telefônica Brasil (VIVT3) lucra R$ 1,121 bi no segundo trimestre, alta anual de 50,3%

10 months ago 61

A Telefônica Brasil (VIVT3), dona da Vivo, reportou lucro líquido consolidado de R$ 1,121 bilhão no segundo trimestre de 2023 (2T23), montante 50,3% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2022, informou a operadora de telefonia nesta noite terça-feira (25).

O resultado veio acima dos R$ 915 milhões previstos pelo consenso Refinitiv.

De acordo com a Vivo, o resultado se deve à forte evolução do Ebit, ou lucro antes de juros e impostos  (+26,8% na base anual), e menor despesa financeira.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) totalizou R$ 5,085 bilhões no 2T23, um crescimento de 11,1% em relação ao 1T22 e acima do consenso Refinitiv que esperava Ebitda de R$ 4,97 bilhões.

A margem Ebitda (Ebitda sobre receita) atingiu 39,9% entre abril e junho deste ano, alta de 1,2 ponto percentual (p.p.) frente a margem registrada em 2T22.

Saiba mais:

Confira o calendário de resultados do 2º trimestre de 2023 da Bolsa brasileira

O que esperar da temporada de resultados do 2º trimestre? Confira ações e setores para ficar de olho

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ebook Gratuito

Análise de Balanços

Cadastre-se e receba um ebook que explica o que todo investidor precisa saber sobre os resultados das empresas

A receita líquida somou R$ 12,733 bilhões no segundo trimestre deste ano, crescimento de 7,6% na comparação com igual etapa de 2022.

Segundo a Vivo, o desempenho foi impulsionado pelo crescimento de duplo-dígito da receita de serviço móvel (+10,4% na base anual).

Já o crescimento da receita de serviço móvel, de 10,4% na base anual, foi impulsionado principalmente pela receita de pós-pago, que inclui M2M, placas, atacado e outros, a qual foi positivamente impactada pelo aumento da base de clientes, reajustes anuais de preço e churn (cancelamento) no menor nível histórico.

A receita de pré-pago, por sua vez, reduziu 1,6% na comparação anual, em função da migração de acessos pré-pago ao controle, o que beneficia a dinâmica da receita de serviço móvel como um todo.

“Com o objetivo de simplificar o portfólio de ofertas no pré-pago e incentivar a migração para o controle, a oferta de entrada no pré-pago passou de semanal (R$ 11,99 por 3 GB) para quinzenal (R$ 15,00 por 4 GB)”, explica a empresa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 486 milhões no segundo trimestre de 2023, uma redução de 19,2% sobre as perdas financeiras da mesma etapa de 2022.

Dívida e Investimentos

Os investimentos realizados no 2T23 alcançaram R$ 2,353 bilhões (-8,6% na comparação ano a ano), o que representa 18,5% da receita operacional líquida do trimestre, uma redução de 3,3 p.p. na comparação anual.

Os aportes foram direcionados ao reforço da rede móvel, com destaque para a ativação do 5G em cidades com mais de 200 mil habitantes, além do investimento na expansão da rede de fibra

Em 30 de junho de 2023, a dívida líquida da companhia era de R$ 12,165 bilhões, um recuo de 7,4% na comparação com a mesma etapa de 2022.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Read Entire Article